+ Terapia

Avaliação e intervenção em crianças, jovens e adultos nas áreas auditiva, linguística, articulatória, vocal, motora e da comunicação.

Áreas de Intervenção:
  • Atraso no Desenvolvimento da Linguagem;
  • Perturbação da Linguagem
  • Perturbação Específica do Desenvolvimento da Linguagem;
  • Perturbações da Aprendizagem Específica (Leitura; Escrita)
  • Perturbação da Comunicação;
  • Perturbações Fono-Articulatórias;
  • Problemas de Motricidade Oro-Facial (ex. respiração, sucção, mastigação);
  • Disfluência (Gaguez);
  • Disartria;
  • Afasia;
  • Disfonia (Perturbações da Voz);
  • Educação/Higiene Vocal;
  • Deficiência Auditiva.

Lia Carina Cerqueiro Cancela
Pós-Graduada em Perturbações Neurológicas da Comunicação do adulto pelo instituto Criap.
Pós-Graduada em Perturbações do Desenvolvimento da 1ª infância à adolescência pelo instituto Criap.
Licenciada em Terapêutica da Fala pela escola Superior de Saúde da Universidade Fernando Pessoa
A Terapia Ocupacional (TO) é uma profissão da área da saúde que tem como principal objetivo potencializar as capacidades necessárias para a participação funcional nas diferentes atividades da vida diária.
O Terapeuta Ocupacional:

- avalia e intervém nas funções sensoriais, percetivas, motoras, comportamentais e sociais da criança bem como nos fatores ambientais que influenciam o seu desempenho e autonomia;

- envolve a criança e família num plano de intervenção individualizado


No MaisPessoa esta valência conta com técnicos especializados em Integração Sensorial e uma sala totalmente equipada com materiais atrativos, lúdicos e específicos.

 A Integração Sensorial
- é um processo pelo qual o cérebro organiza as informações que advêm dos nossos sentidos (visual, auditivo, olfativo, gustativo, tátil, vestibular e propriocetivo) na relação com o ambiente, de modo a dar uma resposta adaptativa. Uma falha neste processo pode conduzir a problemas na aprendizagem, desenvolvimento e comportamento.

  • Possíveis sinais de disfunção:

- Dificuldades de atenção e impulsividade (dificuldade em concentrar-se, perturbar-se com os ruídos, distrair-se com estimulação visual);

– Pouca ou muita sensibilidade ao toque (excessiva aversão ou procura de contacto com materiais ou pessoas, elevada ou pouca sensibilidade à dor);

– Pouca ou muita sensibilidade ao movimento (medo excessivo de alturas, do movimento e de brinquedos de parque; procura em demasia brincadeiras com movimento, gosta de rodopiar e não permanece em atividades sedentárias);

– Pobre coordenação motora e equilíbrio (é pouco eficaz em desportos, cai ou desequilibra-se com frequência);

– Pobre planeamento motor e capacidade para sequenciar tarefas (dificuldade nas tarefas de vestir e/ou despir);

– Problemas na escrita (exerce demasiada ou pouca pressão no lápis, são visíveis alterações na forma das letras e nos espaços entre letras e palavras);

– Alterações no padrão de alimentação (não come alimentos característicos da faixa etária pela textura e/ou consistência dos alimentos);



Áreas de intervenção
  • Alterações neuromotoras (paralisia cerebral, lesões medulares, entre outras)
  • Alterações neuromusculares
  • Alterações ortopédicas (lesão do plexo braquial, agenesia/amputação de membro)
  • Alterações genéticas (síndromes)
  • Alterações sensoriais (Hiper-reacção ou hipo-reacção à estimulação sensorial: toque, movimento, luz e som);
  • Atrasos Globais de Desenvolvimento
  • Défices cognitivos
  • Dificuldades de aprendizagem
  • Alterações/Dificuldades na alimentação
  • Défices de coordenação oculomotora
  • Défices de motricidade global e fina
  • Défices de coordenação motora bilateral
  • Perturbações do Espectro do Autismo (PEA)
  • Perturbações de Hiperatividade/Défice de Atenção
  • Avaliação de produtos de apoio
  • Adaptações nos diversos contextos em que a criança está inserida.
 
Ana Isabel Coutinho Cunha da Silva
Mestre em Cuidados Paliativos pela Escola Superior de Saúde de Viana do Castelo – IPVC.
Pós-graduada em Tratamento do Neurodesenvolvimento (Bobath) pelo Instituto Científico de Formação e Investigação da Federação das Associações Portuguesas de Paralisia Cerebral;
Pós-graduada em Integração Sensorial, pela Escola Superior de Saúde de Alcoitão
Licenciada em Terapia Ocupacional, pela Escola Superior de Saúde de Alcoitão.
 
Diana Rodrigues Lima
Pós-graduanda em Integração Sensorial, pela CESPU
Mestre em Terapia Ocupacional, com especialização em crianças e jovens, pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Porto, IPP
Licenciada em Terapia Ocupacional, pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde do Porto, IPP